Início » A história de Mamonas (documentário)

A história de Mamonas (documentário)

por Klede Marcos

“ O jovem munícipio de Mamonas, foi criado no dia 27 de maio de 1992, com sua sede instalada entre as cidades de Monte Azul e Espinosa”.

No final do século 18, surgia a comunidade de Mamonas e foi através das rotas dos tropeiros que a utilizavam como pouso nas suas cabanas construídas com os cipós de aroeiras e barros de argilas, depois, seguiam suas jornadas nas estradas de terra firme em busca de novas aventuras e com a esperança de um dia melhor.

Durante o ciclo desses desbravadores tropeiros que exploravam a região, eles faziam suas plantações de milho, algodão, feijão e cana de açúcar. Depois, algo curioso aconteceu: em volta das suas cabanas, formou-se uma floresta de pés de mamona.

(A mamona é o fruto da mamoneira (Ricinus comunis) que é uma planta distribuída por quase todo território brasileiro. O estado que têm a maior produção é a Bahia).

Daí, surgiu a inspiração para o seu nome.

Nesse período, esses tropeiros, tinham o hábito de se reunir à noite e divertiam-se, como se fosse um ritual cultural. “Uma rica cultura do povo baiano”, pois a maioria desses tropeiros, vinha do sul da Bahia. O líder desses tropeiros, “Damião”, um homem alto e forte, que usava um chapéu arredondado feito de couro, tinha um instrumento musical que era conhecido como “PÉ-DE- BODE”, e com ele nas mãos, tocava suas belas canções; tinha um dom especial de reunir os amigos e acendia uma fogueira em frente às suas cabanas. Quando apertava os botões do seu instrumento musical,a noite ficava pequena. A poeira levantava com as pisadas e os rebolados dos tropeiros pulando e dançando o famoso “Forró mamonense”, e o luar da noite, era uma benção luminosa para esses divertidos tropeiros com as suas belas companheiras.

“Pé-de-bode, é a sanfona de oito baixos, fole de 8 baixos, fole, harmônica ou simplesmente 8 baixos;faz parte da memória musical e afetiva do Nordeste, verdadeiro patrimônio cultural sertanejo”.

Damião, além de ser um homem alegre e trabalhador era também religioso e tinha a sua fé e uma grande devoção pelo santo das boas ações: “ SANTO ANTÔNIO”.

Para homenageá-lo, se reuniu com os amigos e construíram uma capela no pequeno povoado de Mamonas. A igreja “Santo Antônio”.Com isso, foram surgindo várias moradias ao seu redor, formando a primeira praça no então distrito da cidade de “Grão Mogol”. Com o tempo, outros distritos foram se emancipando e nessas divisões, o pequeno povoado de Mamonas passou à pertencer a outras cidades, como: Rio Pardo de Minas e Boa Vista de Tremendal (que hoje tem o nome de Monte Azul).

Ainda nesse período, durante o ciclo do algodão e do milho, foram abertas as estradas que faziam as conexões entre as cidades de Boa Vista de Tremendal, (Monte Azul) e Lençóis (Espinosa), com isso facilitando a intermediação entre os agricultores da região, que levavam as suas mercadorias para serem vendidas nas feiras das respectivas cidades vizinhas.

Com essa facilidade nas operações entre esses agricultores, o movimento foi tão expressivo que provocou o crescimento do então distrito de Mamonas e, com o passar do tempo, várias comunidades começaram a surgir ao redor do polo central, boa parte delas vindas da zona rural. Além disso, o pequeno distrito de mamonas, destaca-se pelo seu alto índice de desenvolvimento cultural, onde podemos citar as benfeitorias da então e saudosa professora da época: “Azelinda Antunes Teixeira”, pela sua contribuição marcante na formação e desenvolvimento das escolas do então distrito de Espinosa.

Mamonas, pode ainda ser caracterizada por amplos espaços verdes, com a preservação ambiental de alta relevância em seu território. Diversos comércios surgiram, além de inúmeros alambiques… , ”rotulados, como a melhor pinga da região”. Surgiu daí o jargão: (MAMONAS, TERRA DA PINGA BOA).

Lençóis (Espinosa), obteve a sua emancipação no ano de 27 de janeiro de 1925 e o povoado de Mamonas, passou a pertencer a ela, tornando-se o seu maior e mais populoso distrito. E nessa época, a região toda era dominada pelos seus coronéis, na disputa pelo poder. Era uma briga acirrada e Mamonas estava no fogo cruzado dessas disputas. Formaram-se dois grupos: “ARENA1 e ARENA 2”.

“ARENA. Fundada em 4 de abril de 1966, pelo regime militar, Partido conservador. A sua criação se deu em decorrência do Ato Institucional Número Dois, de 27 de outubro de 1965, e do Ato Complementar nº 4, de 20 de novembro de 1965”.

Depois, surgiram novas siglas politicas e as disputas pelo poder continuavam acirradas e vários candidatos mamonense que concorriam a uma cadeira na câmara de vereadores de Espinosa eram eleitos. O povo era muito criativo, tinha uma facilidade para mudar as siglas dos partidos: “PÉ-DURO x PÉ-MOLE”. E até hoje essa criatividade continua.

E no ano de 29 de abril de 1992, veio a vitória do povo mamonense. “SUA EMANCIPAÇÃO”.

Mamonas, agora estava livre e independente da bela cidade de Espinosa, poderia caminhar com o seu próprio povo para o desenvolvimento do seu bem maior…, “o progresso e uma qualidade de vida melhor para os seus filhos mamonenses”.

Hoje, Mamonas tem uma população estimada de 6.565 mil habitantes. Lembrando que esse resultado foi medido pelo IBGE no ano de 2010.

Em 29 de abril de 2023, Mamonas estará completando 31 anos da sua emancipação.

Parabéns Mamonas pela sua independência e mais um ano de muitas vitórias; hoje você tem um líder na administração, que vem fazendo a diferença em suas ações. Meus sinceros parabéns ao grande e carismático prefeito: VALDECI CUSTÓDIO JORGE.

Texto escrito por Táta (Icedlav Adiemla)

Administração: A Força da Inovação – 2021-2024
Prefeito: Valdeci
Vice-prefeito: Sinvaldo
Fonte: Assessoria de Comunicação

Você também pode gostar

Deixe um comentário